Como gerir o capital intelectual em sua organização?

6 minutos para ler

Primeiro, o que é capital intelectual? Bom, há muitos conceitos. Aqui, vamos definir o assunto como o conhecimento coletivo dos funcionários em uma certa empresa, ou seja, o que é capaz de gerar riqueza, vantagem competitiva e aumentar a produtividade diária.

O termo começou a ser estudado a partir da década de 80, no intuito de explicar como algumas companhias (a Microsoft, por exemplo) apresentam um desempenho superior às suas rivais, mesmo com recursos tangíveis semelhantes. A resposta englobou os recursos intangíveis e invisíveis, como a criatividade, o conhecimento e o kow-how da equipe.

A ideia de capital intelectual evoluiu muito nos últimos anos e já existem até revistas científicas dedicadas ao assunto, como o Journal Of Intellectual Capital. Nos tópicos seguintes, vamos ensinar a gerenciar o capital intelectual da sua empresa. Boa leitura!

Faça um diagnóstico do seu capital intelectual

Todo processo gerencial começa com uma análise do status quo, isto é, dos atuais resultados. Desse modo, é possível fazer uma análise consistente, definir os resultados futuros desejados e o melhor procedimento para chegar aonde deseja.

Já existem algumas escalas para mensurar o capital intelectual da organização que envolvem itens ligados ao capital humano, relacional e estrutural do empreendimento. Essas escalas permitem análises estatísticas que vão subsidiar a ótima administração.

Também é possível fazer análises mais subjetivas, avaliando o nível de treinamento e engajamento do time. Assim, poderá avaliar se os resultados atuais estão (ou não) de acordo com o que é desejado e terá dados para seguir as próximas etapas.

Estabeleça objetivos desafiadores

Com base no diagnóstico feito, é hora de definir metas para o desenvolvimento do capital intelectual. Pense: aonde o capital intelectual da empresa deve chegar? Quais são os resultados futuros desejados?

Você pode definir, por exemplo, que o número de erros mensais será próximo de 0, dado o nível de qualificação dos talentos. Defina objetivos desafiadoras, mas nunca impossíveis.

Para definir seus objetivos, o OKR é uma boa ferramenta. Ela permite fragmentar seus objetivos em resultados menores e mais fáceis. Sendo assim, terá um objetivo principal e vários resultados menores, que funcionam como um passo a passo até o objetivo.

Outra coisa: defina objetivos no formato SMART, isto é, objetivos que são específicos, mensuráveis, alcançáveis, relevantes e com tempo bem definido. Desse modo, você e sua equipe terão uma direção clara no desenvolvimento do capital intelectual.

Planeje como esses objetivos serão alcançados

Feito o diagnóstico e traçado os objetivos, é hora de criar um plano que guie a empresa ao efetivo desenvolvimento do capital intelectual. Pense nesse plano como uma ponte que é capaz de levar você do resultado atual ao desejado.

Se um dos objetivos é reduzir a 0,5 o número de erros mensais, crie um plano que leve até esse objetivo. Você pode, por exemplo, adotar programas de qualidade (como o 5S), investir no treinamento dos empregados e melhorar a comunicação interna empresarial.

Veja que esses passos não ajudarão apenas a reduzir o número de erros, mas também a desenvolver seu capital intelectual. Todos os profissionais, individualmente e como time, terão mais know-how para administrar os processos diários com acerto e precisão.

Uma ferramenta simples e intuitiva para desenvolver seu plano é o 5W2H. Ele traz 7 perguntas que devem ser feitas (e respondidas) para ter uma direção clara acerca do que deve ser feito e como. Dessa maneira, o planejamento será mais bem direcionado.

Execute o plano de desenvolvimento do capital intelectual

Plano, sem execução, é “fogo de palha”. Portanto, é necessário executar o que foi planejado e garantir que tudo ganhe vida na prática. Algumas pessoas podem acreditar que a etapa de execução é a mais fácil. Entretanto, não é. Talvez seja a mais complexa.

É preciso envolver todo o time — em especial os líderes — na etapa de execução. Todos devem entender o que deve ser feito e como será colocado em prática.

Veja que o objetivo de redução do número de erros não pode acontecer sem o empenho dos profissionais e seus respectivos líderes. Em vista disso, é preciso que todos estejam conscientizados e comprometidos com o desenvolvimento do capital intelectual.

Ao longo da execução uma coisa é importante: a comunicação. É preciso avaliar e comunicar quais novos conhecimentos estão sendo absorvidos, como os indivíduos estão adquirindo novas habilidades e como a sinergia do time está aumentando.

Monitore os resultados alcançados

Ao gerir o capital intelectual, é importante monitorar os resultados que estão sendo alcançados. Para tanto, é preciso estabelecer um conjunto de métricas e indicadores-chave de desempenho que permitam um diagnóstico dos resultados alcançados.

Existem muitos indicadores possíveis. Alguns dos principais são:

  • percentual de funcionários treinados;
  • retorno sobre o investimento em programas de capacitação;
  • número de erros, problemas e acidentes mensais;
  • produtividade diária;
  • número de metas efetivamente alcançadas.

Todos esses itens são chamados de reflexivos, ou seja, eles refletem o capital intelectual do time. Por exemplo, ao mensurar a produtividade diária, saberá se o time está, de fato, apto a “tocar” os processos, resultando em ganhos ou perdas.

Invista continuamente no capital intelectual

Feito todo o percurso de diagnóstico, planejamento, execução e mensuração do capital intelectual, ainda é preciso de uma coisa: melhorar. O capital intelectual não deve ser estático, é preciso de gente cada vez mais qualificada e preparada para os desafios.

Portanto, retorne para a primeira etapa (de diagnóstico) e avalie o que mais pode ser desenvolvido. Acredite, sempre há o que melhorar.

Esse processo cíclico vai fazer com que o capital intelectual seja avolumado, o que gera mais riqueza, produtividade e vantagem competitiva ao negócio. Isso também garante que os talentos encontrem oportunidades para crescer e aprender dentro da empresa.

Agora você sabe gerir o capital intelectual. Lembre-se de que o processo gerencial apoia-se nas etapas de planejamento, execução e controle dos resultados — e você pode fazer isso com o capital intelectual ao seguir nossas dicas. Essa prática vai gerar uma série de benefícios, como mais acerto, produtividade e retenção de talentos, entre outros já citados.

Gostou do nosso artigo, certo? Aproveite para aprender muito mais sobre gestão de pessoas e equipes. É só seguir nossas redes sociais e acompanhar nossas novidades. Estamos no LinkedIn e Facebook.

Posts relacionados

Deixe um comentário