Confira 6 erros cometidos na migração para nuvem!

6 minutos para ler

Em um mercado acirrado, em que a eficiência dos processos se torna cada vez mais importante, soluções inteligentes, como a migração para nuvem, tem o potencial de otimizar os resultados das empresas. Para que essas estratégias de fato sejam bem-sucedidas, porém, é necessário que elas sejam planejadas e implementadas de forma adequada.

Sem esse cuidado, é possível que mesmo a solução mais eficiente não entregue o resultado esperado, uma realidade que obviamente se aplica aos processos de migração para a nuvem.

Levando esse fato em consideração, elaboramos este conteúdo com orientações a respeito de 6 dos principais erros que podem ocorrer no processo de migração, bem como suas soluções. Leia o artigo e entenda!

1. Falta de planejamento

A migração para nuvem é um procedimento que tem o potencial de reduzir os custos, ao mesmo tempo que abre espaço para que colaboradores e gestores tenham acesso a informações relevantes em períodos mais curtos. Isso acaba por otimizar os resultados da empresa, independentemente de seu porte ou área de atuação.

A grande questão é que, motivados por tais benefícios, muito empresários e gestores tendem a implementar a solução sem o devido planejamento. É uma atitude que, além de dificultar a ocorrência dos benefícios esperados, pode gerar gargalos, tornando a operação da companhia mais complexa e menos eficiente.

Para evitar esse problema, é importante que o time de gestão estabeleça um grupo de colaboradores para elaborar a estratégia de migração para nuvem. A equipe responsável deve elaborar um mapeamento completo das necessidades e da situação da empresa, para que a migração seja feita de acordo com esses fatores.

2. Desconhecimento a respeito das opções disponíveis

É possível que, ao escutar o termo tecnologia em nuvem, muitas pessoas pensem que ele abrange um conceito único, e isso é um erro. A verdade é que a tecnologia pode ser implementada de diversos modos, o que significa que existem diferentes soluções, cada uma adequada a um modelo diferente de operação.

Por desconhecerem as diferentes opções disponíveis de migração para nuvem, os responsáveis pela tarefa correm o risco de optar por uma solução pouco alinhada às suas demandas, o que obviamente impactará negativamente os resultados entregues pela tecnologia.

Felizmente, esse problema pode ser facilmente evitado por meio de estudo e pesquisa. Portanto, antes de optar por uma solução em nuvem, é fundamental que os responsáveis pelo processo de migração dediquem o tempo necessário para compreender as diferentes opções disponíveis e mensurar os impactos de cada uma nas rotinas da empresa.

3. Desconsiderar parcerias estratégicas

É verdade que os colaboradores precisam compreender as diferentes soluções em armazenamento e computação em nuvem para de fato optarem pela mais alinhada às necessidades do negócio. Mas é válido ressaltar que, na grande maioria das vezes, essa não é sua área de especialização, o que tende a reduzir a confiabilidade na escolha.

Além disso, considerando a variedade de opções disponíveis e a quantidade de informações que devem ser analisadas, é fácil chegar à conclusão de que esses profissionais gastariam muito tempo para compreender a tecnologia a fundo. Uma situação que, além de afastá-los de suas tarefas originais, atrasaria o processo de migração para nuvem.

Nesse contexto, contar com o auxílio de parceiros estratégicos é uma opção inteligente. Uma consultoria especializada, por exemplo, é capaz de analisar a fundo as necessidades da empresa e relacioná-las a uma solução em nuvem adequada.

Existem também serviços mais completos, que cuidam tanto da implementação quanto da administração de soluções em nuvem adotadas pela empresa.

4. Ignorar a governança

De um modo mais simples, podemos descrever a governança em TI como um conjunto de regras e normas que visam garantir o melhor custo-benefício para a empresa, otimizando fatores como o uso da tecnologia e sua integração com as rotinas do negócio.

Caso a governança seja ignorada na implementação da migração para nuvem, todo o processo pode sofrer com falhas de segurança, o que é crítico para a empresa. Além disso, a ausência da governança pode reduzir a eficiência das rotinas, impactando diretamente o desempenho.

Para evitar essas falhas, o time de gestores, em conjunto com os setores de TI e Recursos Humanos, deve estabelecer normas para gerenciar a atuação dos colaboradores e a execução de tarefas, como o acesso a informações e a realização de backups e updates de dados.

5. Não pensar na segurança da informação

Um dos pontos positivos dos servidores, responsáveis pelo armazenamento e pela computação em nuvem, são as medidas de backup e segurança de dados implementadas por eles. Apesar dessas medidas, porém, é válido ressaltar que a empresa precisa tomar seus próprios cuidados.

O motivo é que falhas de segurança também podem ocorrer na estrutura da empresa. Trata-se de um fator que, se não for devidamente considerado, tem o potencial de gerar graves prejuízos.

Nesse contexto, podemos dizer que medidas de governança em TI são muito úteis. Elas podem ser complementadas por sistemas que monitorem o usuário, e identifiquem e interrompam práticas suspeitas ou indevidas. Entre essas práticas, podemos citar o acesso a sites não autorizados por meio do hardware da empresa e a alteração não autorizada de informações armazenadas em nuvem.

6. Desconsiderar a integração da migração para nuvem com outros sistemas

Por fim, é importante garantir que todos os sistemas usados pela empresa estejam preparados para a integração com a solução em nuvem. Caso um software não apresente a devida compatibilidade, ele pode apresentar falhas, o que reduziria a eficiência dos usuários ou até mesmo o faria deixar de funcionar.

Além disso, alguns sistemas podem apresentar falhas de segurança, um problema com o potencial de abrir brechas para ataques e atividades maliciosas realizadas por terceiros.

Levando esse fato em consideração, é importante que os responsáveis pela migração para nuvem avaliem todos os sistemas, que devem interagir e funcionar com a solução em nuvem escolhida, para verificar se eles apresentam algum grau de incompatibilidade.

A tecnologia em nuvem surgiu para reduzir os custos operacionais das empresas e otimizar sua operação e o acesso dos colaboradores a informações estratégicas. Mas é importante ressaltar que, para que tais resultados sejam alcançados, a implementação deve ser devidamente planejada e executada.

Sua empresa já realizou a migração para nuvem? Você teve dificuldades com alguma das questões que abordamos? Deixe um comentário e compartilhe conosco sua experiência!

Posts relacionados

Deixe um comentário