Retenção de talentos pós-crise: veja o que você pode fazer

7 minutos para ler

A pandemia de Covid-19 acarretou diversas mudanças em todos os setores da sociedade. Obviamente, o relacionamento entre empresa e colaborador não é uma exceção a essa regra. Neste novo cenário, é de suma importância que as companhias pensem seriamente na retenção de talentos.

Esse cuidado se faz necessário porque, conforme as empresas se atualizam para atender às novas demandas do mercado, a necessidade de mão de obra capacitada tende a se tornar cada vez maior.

Além disso, frente às novas modalidades de trabalho, mais seguras e confortáveis, como o home office, os profissionais estão procurando por oportunidades com o potencial de melhorar sua qualidade de vida.

Pensando nisso, preparamos este conteúdo com orientações para ajudar você a otimizar a retenção de talentos pós-crise em sua empresa. Continue a leitura!

Ter um canal de comunicação aberto

Não é exatamente uma novidade que a retenção de talentos está diretamente relacionada ao desejo do colaborador de permanecer na empresa. Portanto, é fácil chegar à conclusão de que, para implementar um programa de retenção bem-sucedido, a companhia deve pôr em prática projetos que realizem esse desejo.

Entre esses projetos, podemos dizer que o estabelecimento de um canal aberto de comunicação é um dos mais importantes. Afinal, quando o colaborador entende a fundo o que se passa com a empresa e tem sua opinião ouvida, ele se sente realmente importante para o negócio.

É por esse motivo que criar canais de comunicação que informem aos funcionários informações relevantes, relacionadas aos objetivos, derrotas e sucessos da companhia é de suma importância.

Mais do que apenas falar ao colaborador, porém, esses canais devem ser uma porta de entrada para seus feedbacks e questionamentos. Ouvindo seus funcionários, a empresa mostra a eles o quanto são importantes, o que acaba por se refletir em seus níveis de engajamento e de retenção.

Criar um bom clima organizacional (mesmo a distância)

O clima organizacional é outro fator que impacta diretamente o tempo de permanência de funcionários nos quadros de uma empresa — o que é natural, pois ninguém quer trabalhar em ambientes tóxicos ou desorganizados.

Considerando esse ponto, a empresa e o time de RH precisam praticar políticas que fomentem um espaço de trabalho harmonioso, em que todos os colaboradores possam interagir com o mínimo de atritos e estresse.

A grande questão é que, em meio à nova realidade e às modalidades de trabalho como o home office, implementar tais estratégias se tornou mais difícil. Por isso, um dos maiores desafios desse período é fazer com que o time de colaboradores trabalhe de forma unida e engajada — mesmo a distância.

Não existe uma solução simples, os colaboradores de Recursos Humanos e a empresa devem agendar reuniões frequentes, mesmo que por videochamada, em que os colaboradores possam interagir e trocar informações a respeito do trabalho e de assuntos não relacionados a ele.

O ideal é que a companhia consiga criar um clima parecido com as reuniões informais nos corredores da empresa ou com encontros na sala de descanso durante os intervalos.

Fomentar a capacitação

Nesse período de grandes mudanças, novas tecnologias estão ganhando espaço, e isso exige que os profissionais se capacitem cada vez mais. Obviamente, os colaboradores mais antenados da empresa estão atentos a isso e buscam por oportunidades de alcançar esses novos conhecimentos.

Quando a empresa cria um programa de capacitações e ajuda seus funcionários a fazerem cursos e graduações, ela vai direto a essa demanda, o que tende a atrair justamente os profissionais que desejam continuar melhorando suas habilidades.

É importante ressaltar que, nesse novo cenário, a própria companhia vai precisar de habilidades mais especializadas. Desse modo, ao preparar seus colaboradores, ela não precisa se preocupar tanto em atrair novos talentos para ocupar essas posições.

Na verdade, o próprio programa de capacitação acaba funcionando como uma propaganda que melhora a imagem da companhia e atrai novos colaboradores com esse interesse de se atualizar.

Ao longo do tempo, essa política tem o potencial de se tornar uma verdadeira vantagem estratégica.

Estabelecer um plano de carreira claro

Embora o desejo de aprender seja um grande motivo para que os colaboradores continuem a se capacitar, é importante levar em consideração que esse investimento de tempo e de esforço visa ao crescimento profissional.

Por essa razão, a companhia precisa entender essa demanda e oferecer condições de crescimento em seu quadro de colocações.

Essa tarefa exige que os gestores da empresa, em parceria com os especialistas do time de Recursos Humanos, criem regras claras para que os colaboradores sejam promovidos. É importante que os funcionários compreendam a quais critérios devem atender para crescer na empresa.

Ao mostrar aos funcionários que eles têm boas perspectivas de crescimento, uma empresa melhora significativamente sua retenção de talentos.

Repensar benefícios

Outro dos pontos mais importantes para colaboradores são os benefícios. Afinal, empresas que oferecem comodidades como bons planos de saúde e auxílios financeiros, como vale-cultura e vale-alimentação, tendem a atrair naturalmente a atenção dos profissionais em busca de novas oportunidades.

Acontece que, nesse novo cenário em que muitos colaboradores desempenham suas funções de casa, as empresas precisam repensar seus benefícios para atender a essa nova realidade.

Uma contribuição para despesas com internet e para o investimento em outros insumos necessários para o trabalho em casa, por exemplo, pode ser uma boa alternativa.

Além disso, é interessante que a companhia implemente a chamada flexibilidade de benefícios, o que abre espaço para que o próprio colaborador opte pelos benefícios mais alinhados às suas necessidades.

Pensar na saúde mental dos colaboradores

Por fim, é indispensável que as empresas levem em consideração que, apesar dos benefícios de novas modalidades de atuação, como o home office, elas podem causar um desconforto em seu período de implementação.

Neste contexto, um dos problemas mais sérios é a sensação de isolamento com que os colaboradores não habituados a trabalhar em casa precisam lidar. Esse afastamento dos colegas e amigos, com que costumavam interagir diariamente, somado à necessidade do isolamento social, tende a acarretar uma série de transtornos.

Levando esses fatos em consideração, a companhia e o time de Recursos Humanos podem implementar uma série de políticas para amenizar os impactos dessa situação. O estabelecimento de reuniões diárias, mesmo que a distância, pode fazer uma grande diferença nesse momento, principalmente se um psicólogo especializado participar.

Em um cenário de grandes mudanças, em que as empresas precisam de profissionais especializados para se adequar às novas demandas do mercado, o investimento na retenção de talentos é de suma importância. Sem esse cuidado, dificilmente as companhias serão capazes de manter os profissionais necessários para continuarem relevantes para seus clientes.

Agora que você sabe o que considerar no planejamento de uma estratégia para retenção de talentos, que tal receber mais informações úteis? Siga nossos perfis no Facebook e no LinkedIn e acesse mais conteúdos relevantes!  

Posts relacionados

Deixe um comentário