Segurança interna: 6 dicas para reduzir as ameaças

7 minutos para ler

Em um ambiente em que os dados se tornam cada vez mais valiosos, as empresas precisam investir em soluções que aumentem sua segurança interna. Sem esse cuidado, elas colocam em risco informações estratégicas, ou seja, alguns de seus principais ativos.

O problema é que, muitas vezes, os líderes e gestores estão tão ocupados que acabam subestimando as ameaças de problemas simples. Um software desatualizado, por exemplo, pode ser a porta de entrada para uma série de ataques digitais com o potencial de causar sérios prejuízos à companhia.

Considerando essa realidade, decidimos preparar este material com alguns cuidados fundamentais de segurança interna. Continue a leitura e conheça 6 dicas práticas para proteger sua empresa de ataques virtuais!

1. Oriente os colaboradores a respeito das medidas de segurança

Quando pensamos na implementação de uma estratégia inteligente de segurança interna, um dos principais pontos é a capacitação dos colaboradores. Afinal, uma vez que eles são os grandes responsáveis pelos processos diários da companhia, suas atitudes têm grande impacto na proteção de dados.

É necessário que o time de TI, em parceria com os profissionais de Recursos Humanos, elabore políticas de conscientização a respeito das boas práticas de uso dos dispositivos da empresa e do acesso a redes de fora, como a internet, dentro da companhia.

A finalidade dessas políticas é fazer com que os funcionários compreendam que atitudes como acessar sites não relacionados ao trabalho nos dispositivos da companhia ou clicar em links suspeitos em seus e-mails devem ser evitadas ao máximo.

Mais do que apenas alertar os colaboradores de uma empresa a respeito da necessidade dos cuidados com a segurança interna, o que já é de suma importância, a implementação dessas políticas ainda abre espaço para que os profissionais se atualizem e aprendam a usar melhor as ferramentas tecnológicas que estão à sua disposição.

2. Use o antivírus

O antivírus pode ser descrito como um software planejado para detectar programas e aplicações nocivas e bloqueá-las. Para garantir sua eficiência, os desenvolvedores desse tipo de software estão continuamente elaborando atualizações, o que cria condições para que o sistema seja útil até mesmo contra os vírus de computadores mais atuais.

Dada a atribuição do antivírus, é fácil perceber por que seu uso é indispensável para empresas. A grande questão é que, sem entender sua importância, muitas companhias acabam optando por soluções menos completas, que não são realmente capazes de atender aos requisitos exigidos de segurança.

Existem até mesmo empresas que deixam de atualizar esse software, o que o torna ineficiente contra os tipos de ataque virtuais mais atuais.

A verdade é que, para atender a uma companhia de forma adequada, o antivírus deve ser desenvolvido para o universo corporativo. Além disso, é importante que o software seja atualizado sempre que seus desenvolvedores liberarem novos pacotes de atualização.

Tomando esses cuidados simples, uma empresa é capaz de aumentar consideravelmente os seus níveis de proteção de dados e segurança interna.

3. Implemente contas temporárias

A rede interna de uma empresa, principalmente daquelas de maior porte, precisa lidar diariamente com uma série de acessos. Obviamente, para garantir a integridade da rede e a proteção das informações estratégicas da companhia, os profissionais de TI devem monitorar de perto esse acesso.

O problema é que, conforme o número de contas aumenta, a tarefa de monitorá-las também se torna mais complexa, o que acaba criando brechas para que alguns logins sejam usados de modo inadequado.

Para evitar esse problema e reduzir o número de itens a serem monitorados, a empresa pode definir contas temporárias para o uso de parceiros terceirizados e estagiários. Assim que o prazo limite expirar, essas contas, se não forem atualizadas, deixam de funcionar.

Ao reduzir o número de contas ativas, a empresa reduz a carga de trabalho de seus profissionais, o que os ajuda a entregar um desempenho melhor na tarefa de monitorar a rede interna da empresa.

4. Use senhas fortes

Impedir o uso de contas antigas é uma tarefa importante, mas esse cuidado deve ser complementado com outras estratégias de segurança interna, como o uso de senhas fortes.

Afinal, se as senhas usadas pelas pessoas com acesso à rede forem facilmente descobertas, mesmo as contas mais novas se tornarão uma ameaça para a integridade da rede e das informações da empresa.

Para evitar esse problema, a companhia deve recomendar a seus colaboradores que tenham alguns cuidados simples na elaboração de suas senhas. Confira alguns exemplos:

  • usar tanto caracteres maiúsculos quanto minúsculos;
  • usar de caracteres especiais, como @ e #;
  • usar números.

Além disso, é importante que os colaboradores nunca utilizem informações pessoais, como datas de aniversário, número de documentos ou nome de ruas ou de parentes.

Embora essa atitude aparente ser simples, ela tem o potencial de até mesmo inviabilizar o roubo de uma senha.

5. Estabeleça uma rotina de backups

Via de regra, quando pensamos em um ataque virtual, a primeira situação que vem à nossa mente é o roubo de dados sensíveis. A grande questão é que os criminosos virtuais atuam de diversos modos.

Uma das modalidades de ataques mais atuais é a prática de bloquear, ou mesmo corromper, os dados armazenados de uma empresa — uma atitude que obviamente tem o potencial de acarretar graves prejuízos.

Felizmente, esse risco pode ser contornado por meio de soluções simples, como a implementação de uma rotina de backups. Afinal, se todas as informações relevantes da empresa estão salvas em um local seguro, elas podem ser facilmente acessadas quando necessário.

Nesse contexto, o uso da computação em nuvem pode ser descrito como uma opção interessante. Isso ocorre porque, ao fazer backups em nuvem, a companhia salva seus arquivos em diversos servidores ao redor do mundo. Mesmo se um deles apresentar problemas, os dados ainda estarão seguros nos demais servidores.

Além disso, é válido ressaltar que as empresas que prestam esse tipo de serviço são altamente especializadas na tutela de informações e contam com tecnologias de ponta e com profissionais capacitados.

Portanto, ao fazer uso do armazenamento em nuvem para suas rotinas de backups, a empresa tem acesso às melhores práticas de segurança interna por um custo mínimo.

6. Conte com uma equipe dedicada

Por fim, é importante ressaltar que, para que todas as dicas que foram citadas aqui sejam implementadas de maneira eficiente, é necessário que um time de colaboradores seja alocado para administrá-las.

O dever dessa equipe dedicada é justamente planejar as políticas de segurança interna da empresa e decidir quais soluções em software e hardwares serão adotadas por ela.

Dada a importância desse time, ele deve ser composto por profissionais experientes e capacitados. Cabe à empresa fornecer a eles o suporte e a autonomia de que precisam para cumprir seu papel e garantir a integridade digital da empresa.

Para lidar com o aumento constante das ameaças virtuais às informações estratégicas das empresas, é necessário que seus líderes invistam em medidas para garantir a segurança interna. Em um cenário em que os dados se mostram cada vez mais valiosos, atitudes como essas se tornam indispensáveis.

Depois de conhecer nossas dicas, você gostaria de se aprofundar ainda mais na proteção de dados? Baixe nosso guia completo sobre política de segurança da informação e entenda melhor as soluções para garantir a segurança interna de sua empresa!  

Posts relacionados

Deixe um comentário